José Paulo e Lucas de Aguiar

Eles herdaram do pai, que partiu precocemente, o comando da fazenda e a paixão pelo bom café. Hoje, empregam a energia da juventude em um projeto para valorizar toda a região.

Se você não conhece São Sebastião da Grama, talvez não saiba que a região produz alguns dos melhores cafés do País. A cidade fica no interior de São Paulo, colada ao sul de Minas, junto da famosa Poços de Caldas. O relevo montanhoso, a altitude acima de 1 mil metros, o solo favorável e o clima são extremamente propícios para o desenvolvimento da espécie arábica e de cafés especiais.

Foi lá que a família Aguiar começou a atuar nesse segmento no início dos anos 60, quando Florêncio de Aguiar comprou as primeiras terras. Seu filho, José Paulo, dedicou três décadas da vida ao cultivo do café, mas infelizmente partiu cedo. Há pouco mais de um ano, são seus filhos – José Paulo de Aguiar Jr. e Lucas de Aguiar, ambos na faixa dos trinta anos de idade – que estão à frente das fazendas. “Crescemos entre os cafezais, ouvindo nosso pai falar sobre as melhores variedades, o jeito certo de plantar, a maturação dos grãos, os cuidados na colheita, o pós-colheita... Aprendemos muito com ele, mas, acima de tudo, herdamos dele a paixão pelo café”, conta José Paulo.

Crescemos entre os cafezais, ouvindo nosso pai falar sobre as melhores variedades, o jeito certo de plantar, a maturação dos grãos, os cuidados na colheita, o pós-colheita... Aprendemos muito com ele, mas, acima de tudo, herdamos dele a paixão pelo café. - José Paulo de Aguiar

Quando o momento de assumir os negócios chegou, eles contavam não apenas com tudo o que o pai lhes havia ensinado, mas também com formação acadêmica em áreas importantes para o desenvolvimento de uma empresa agrícola nos dias de hoje. Lucas cursou engenharia agronômica. José Paulo estudou direito e administração de empresas. E ambos haviam feito também cursos específicos sobre o produto, como o de degustação e classificação de cafés, nas melhores escolas do País.

Eles hoje acalentam um sonho grande, que envolve o desenvolvimento da própria marca de café e também iniciativas para unir e fortalecer os cafeicultores da região. A plantação ocupa uma área de 70 hectares das duas fazendas que herdaram do pai – a Santa Elisa e a Santo Antônio –, que totalizam 33 alqueires de área. Para se tornar conhecidos, eles optaram por atuar sob outro nome que pertencia à família, sem concorrentes registrados: Fazendas Glória.

As propriedades contam com 110 mil pés e produzem de 1.200 a 1.500 sacas de café por ano. O produto alcança altos níveis de qualidade de acordo com os principais critérios adotados pelo mercado, como a COB (Classificação Oficial Brasileira) e a SCAA (Specialty Coffee Association of America). “Nossos cafés já chegam à faixa máxima de qualidade pela COB e atingem o nível de cafés especiais pela SCAA – a segunda mais elevada, atrás apenas da faixa de cafés raros. E é nessa que queremos chegar”, afirma Lucas.

Nossos cafés já chegam à faixa máxima de qualidade pela COB e atingem o nível de cafés especiais pela SCAA – a segunda mais elevada, atrás apenas da faixa de cafés raros. E é nessa que queremos chegar.

As Fazendas Glória vendem tanto o grão verde, principalmente para exportação, quanto produtos para o mercado premium, sob a marca Reserva Specialle: o café torrado em grãos gourmet (expresso), o torrado e moído gourmet e o café gourmet em cápsulas. Nessas linhas especiais, cada detalhe é importante: da seleção dos grãos ao grau de torrefação e moagem, que são definidos para permitir que o café expresse o máximo de suas características. As Fazendas Glória também desenvolveram um produto diferenciado: o café verde em pó, para o segmento de bebidas que ajudam em dietas de emagrecimento.

Produzir cafés excelentes de maneira sustentável exige mais do que clima e solo favoráveis. O relevo montanhoso das Fazendas Glória requer que a colheita seja feita de forma predominantemente manual. Então, o sucesso do negócio depende de uma série de medidas tanto dentro da fazenda, nas decisões de produção, quanto na administração empresarial. O projeto dos irmãos Aguiar envolve diversas iniciativas de profissionalização da gestão. Eles decidiram transformar uma das propriedades em uma fazenda-modelo, onde começaram a implantar as ideias nas quais acreditam. O objetivo é torná-la uma força inspiradora para outros produtores da região dispostos a trilhar o mesmo caminho.

Eles também criaram uma empresa para atender quem precisa de ajuda na seleção e classificação de cafés especiais, assim como na busca direta de compradores, sejam eles os torrefadores do mercado externo, sejam as empresas nacionais que buscam os melhores cafés para oferecer aos seus clientes.

Nossa região tem todas as condições para voltar a ser reconhecida por produzir os melhores cafés do mundo. Queremos unir forças com outros cafeicultores daqui para, de um lado, buscar níveis de qualidade cada vez mais elevados e, de outro, vender nossos produtos diretamente para quem sabe valorizar o bom café.

v.1.0.3067 (02/08/2019)